• Home
  • Etiqueta: Rodada

Rodada #1

Ora cá estamos para a primeira edição da Rodada!

Como disse num post anterior, estes artigos são um resumo de tudo o que de mais interessante me passou pelas mãos/olhos durante os últimos tempos.

Eu sei que muito provavelmente todos nós passamos mais tempo do que devíamos a saltitar de página em página pela web, mergulhando nas entranhas do monstro da desinformação e do clickbait, mas ainda assim há bons conteúdos a circular na Internet.

Semanalmente vou partilhar aqui todo o tipo de conteúdo que tenha visto/usado e que tenha gostado:

  • Artigos
  • Vídeos
  • Páginas
  • Ferramentas
  • Apps
  • Blogs
  • Livros
  • Eventos

Aqui ficam alguns dos que para mim merecem destaque esta semana:

 

Artigos

Hierarchy of Financial Needs (and the Meaning of Life)  madfientist.com 

O Mad Fientist é um Blog(ger) bastante conhecido na área das Finanças Pessoais e da comunidade FIRE (Financial Independence Retire Early).

Não é um blog que eu siga religiosamente, mas gosto bastante da maioria dos seus artigos.

Adaptando a famosa Hierarquia das Necessidades de Maslow ao contexto das finanças pessoais, o Mad Fientist apresenta-nos a sua Hierarquia das Necessidades Financeiras.

piramide das necessidades financeiras
Foto: www.madfientist.com

Este conceito mexeu muito comigo por nos relembrar a todos que não devemos julgar alguém sem antes compreender a sua situação particular.

Por vezes torna-se fácil de se esquecer as etapas base da pirâmide à medida que vamos subindo na hierarquia, mas devemos ter sempre presente a noção clara de que a nossa sobrevivência e conforto básico sobrepõe-se instintivamente a qualquer plano de poupança ou investimento.

Não faz qualquer sentido metermos 20% do nosso rendimento num Fundo de Pensões e não termos “pão na mesa”.

Levantar dinheiro através de um cartão de crédito é financeiramente estúpido…

…mas não ter outra forma de pagar a renda que já está 2 meses atrasada é ainda mais doloroso.

Muitas vezes a vida não nos permite fazer as melhores escolhas, mesmo quando estamos cientes delas.

Resta-nos controlar o que é controlável e planear o melhor possível para minimizar essas situações.

A longo termo também se tornará cada vez mais claro que a importância que damos ao dinheiro e aos bens materiais está realmente sobrevalorizada.

Curiosidades

This 100-Year-Old To-Do List Hack Still Works Like a Charm – Fast Company

A produtividade é para mim uma prioridade constante, pois é algo em que sempre tive dificuldades.

Ao longo dos anos fui adoptando novas técnicas e adaptando outras, e uma delas é a definição e priorização com antecedência das tarefas mais importantes a desempenhar.

Ivy Lee
Ivy Lee | Foto: Harris & Ewing

Esta técnica terá sido desenvolvida por Ivy Lee, um jornalista Americano, considerado o fundador das Relações Públicas da era moderna.

No início do século XX Lee foi contratado por um magnata da indústria para aumentar a produtividade dos seus funcionários.

A proposta de Lee era tão simples que muitos duvidaram da sua mais valia, mas mesmo assim Schwab decidiu implementá-la.

Ao questionar Lee sobre os seus honorários, este respondeu que não cobraria nada.

Mas Lee pediu que Schwab aplicasse a sua proposta durante algum tempo e que depois lhe pagasse o que considerasse justo.

Passados 3 meses, Schwab enviou um cheque a Lee de $25,000, qualquer coisa como $400,000 nos dias de hoje!

A definição clara de tarefas e a sua ordem de importância foram um dos passos mais importantes para o aumento da minha produtividade.

Não deixa de ser surpreendente que esta seja uma técnica centenária!

Vê a história mais detalhada no link acima.

Vídeos

Life is NOT a Journey – Alan Watts After School

Alan Watts foi um filósofo, escritor e orador Inglês que viveu no século XX.

Watts foi o principal transmissor das filosofias orientais no Ocidente.

Alan-Watts
Foto: By Alan Watts Foundation

As suas capacidades oratórias eram realmente fascinantes, e felizmente há um grande número de registos que podemos facilmente consultar no youtube.

Este vídeo é uma animação baseada num discurso de Watts que exemplifica brilhantemente a falácia que a maioria de nós vivemos ao longo das nossas vidas, trabalhando cegamente para chegar a um qualquer destino figurativo sem disfrutar devidamente da viagem.

Esta é uma pequena amostra do trabalho de Watts, tenho vindo a escutar e ler bastantes coisas dele e acho-o verdadeiramente brilhante.

A animação é da responsabilidade do canal After School.

Este canal tem imensas animações do género, vale bem a pena passar algum tempo a ver alguns dos seus vídeos.

Apps

Todoist – Gestor de Tarefas e Projectos

Já experimentei vários gestores de tarefas, e até já criei os meus!

Uso com regularidade o Calendário Google e o Evernote, ferramentas que continuam aliás a estar no meu top de favoritos.

Mas o Todoist está a conquistar-me a cada dia que passa!

Tem tudo o que um gestor de tarefas é suposto ter, mas o interface é tão simples e prático que tudo flui com muito maior facilidade do que qualquer outra ferramenta do género que já tenha experimentado.

Tem versões para todas as plataformas e dispositivos (desktop, smartphone, web, browsers, etc.) e a sincronização é instantânea, desde que ligado à Internet, claro.

Esta é uma grande mais valia porque nos permite usar a aplicação em qualquer lugar.

É sem dúvida a melhor aplicação de gestão que conheço.

Apesar de ter uma versão premium (€31.99 por ano), consigo ter todas as funcionalidades que necessito na versão gratuita, o que a torna ainda mais fantástica!

Recomendo vivamente para quem tem necessidade de planear com rigor os seus dias, como é o meu caso.

 

Citações

“A vida é uma piada. Explicar é estragá-la.”

Alan Watts

 

E esta semana ficámos por aqui.

Espero que gostem destes conteúdos tanto quanto eu, assim como deste formato.

Comentários e sugestões são muito bem-vindos!

Newsletter Rodada!

A Rodada é uma newsletter que envio uma vez por semana com links e alguns comentários meus sobre todo o tipo de conteúdo que vejo online.

Se quiseres receber estas mensagens no teu inbox e seres dos primeiros a ver as minhas recomendações, então indica o teu endereço de email a seguir!

Por favor aguarda um pouco...

Obrigado por te registares na Rodada, tenho a certeza que vais gostar!

Rodada – A Happy Hour do Conhecimento

Sobrecarga de informação: Quando o saber tudo sobre tudo nos leva a não saber nada de nada.

O Excesso de Informação e a Ignorância O excesso de abundância de informação pode fazer do cidadão um ser muito mais ignorante. Eu explico. Acho que as possibilidades tecnológicas para desenvolver a massificação da informação têm sido muito rápidas. No entanto, o cidadão não dispõe dos elementos e da formação adequados para saber escolher e seleccionar, o que leva a que ande perdido nessa selva. Precisamente, nesse desnível é onde se dá a instrumentalização em prejuízo do indivíduo e, portanto, a desinformação.

José Saramago, in ‘La Jornada (2004)’

Até poderá haver, mas não conheço um único tema que não seja possível explorar ao pormenor navegando pela internet!

Nesta era da informação é sabido que virtualmente qualquer pessoa tem acesso a tudo o que quiser saber sobre qualquer tópico que lhe interesse.

Mas essa facilidade de acesso à informação não se traduz necessariamente em qualidade.

Diariamente somos bombardeados com dezenas de artigos, notícias, posts e comentários sobre os mais variados assuntos.

poste com demasiados fios
Demasiadas ligações!

Há uma grande probabilidade de toda essa avalanche informativa se transformar em puro ruído, não acrescentando nada de valor ao nosso intelectual.

Soluções Para a Sobrecarga de Informação

Como este mal me acompanhou ao longo de grande parte da minha vida adulta, a certa altura tive que tomar algumas medidas, e a verdade é que a coisa foi melhorando nos últimos anos, essencialmente por ter começado a aplicar alguns “filtros”.

Para deixar de amontoar informação sobre tudo e mais alguma coisa, comecei a ser mais exigente na qualidade.

Mas como é que sabes se um artigo tem qualidade sem o leres!?

Ainda bem que perguntas, e a verdade é que não sei!

Mas em 99% dos casos não precisas de ler o texto para saberes de tema se trata!

E é precisamente aí que aplico os meus filtros, nos TEMAS.

Por exemplo, como grande parte das pessoas que não vivem debaixo de uma rocha, neste momento tenho interesse em saber mais sobre Bitcoin e criptomoedas em geral, por isso vou lendo e ouvindo tudo o que posso sobre o tema.

Já sobre meditação, por exemplo, não tenho por enquanto grande vontade de (continuar a) experimentar, por isso tudo o que vou encontrando sobre isto simplesmente ignoro, apesar de ser um tema que também está na moda.

Ignorar temas que não considero prioritários ajuda-me a combater a sobrecarga de informação.

A Trivialidade já não é o que Era!

Houve alturas da minha vida em que queria simplesmente saber tudo sobre tudo.

homem com cabeça de livros

Mas na prática acabava por ser um pequeno repositório de sound bites de cultura geral.

megafone

Não me interpretes mal, possuir boa cultura geral é positivo, mas já não é o que era há umas décadas.

Na era pré-internet, ter bons conhecimentos sobre vários assuntos era uma mais valia muito importante, pois essa capacidade de resposta às mais variadas situações podiam fazer enorme diferença.

Mas vivemos numa era onde a resposta a qualquer pergunta está a 3 cliques de distância, será então necessário despender tantos dos nossos recursos para esta vertente?

Valerá a pena saber de trás para a frente as 4 dinastias do Portugal Monárquico?

Precisamos de memorizar as capitais de todos os países do mundo?

Tudo bem que pode dar um ar de pessoa culta e inteligente, mas não haverá um reverso da medalha?

Não estaremos a ignorar outros conhecimentos e a despender largura de banda mental com esse tipo de trivialidades?

Não sou nenhuma Wikipédia ambulante, mas tenho o meu respeitoso arquivo de “factos & curiosidades mais ou menos interessantes”.

Mas a verdade é que trocava de bom grado metade desses “conhecimentos” por saber programar, por exemplo.

Penso que nos dias de hoje as capacidades técnicas são mais importantes que o conhecimento estéril.

Não defendo a estupidificação dos indivíduos, mas sim a orientação dos nossos recursos para as áreas que possam ser mais úteis para o nosso sucesso em certas áreas.

Eis que Surge a Rodada

Toda esta conversa de conhecimentos e de filtros não significa que não continue a consumir imensos conteúdos e fontes de informação (muito provavelmente ainda em demasia!).

Faço-o como forma de ir tomando o pulso ao mundo que me rodeia.

De vez em quando encontro conteúdos realmente interessantes, por isso achei que seria positivo partilhar algum desses conteúdos no RicoPobre!

Decidi então criar uma rubrica, a Rodada!

A Rodada basicamente será a partilha de uma série de links para conteúdos que eu ache merecedores de serem divulgados, e alguns apontamentos meus sobre esses conteúdos.

Será algo mais ligeiro que a generalidade dos posts do RicoPobre, e geralmente com publicação às Sextas-feiras (ou Sábados… ou Domigos!).

Será a minha versão de um Happy Hour para celebrar o fim de semana!

Espero que gostem e adorava saber as vossas opiniões!